Mais FAOL: Flagra dos Torinos ex-Real

Fomos agraciados no início desta tarde com a gentil colabração do amigo Marcos Pedrazzi, que nos enviou alguns flagras dos Marcopolo Torino 2007 repassados pela Real Auto Ônibus à FAOL, mais nova empresa do grupo.

Os ônibus seguiam para Nova Friburgo no momento das fotos. Nossos sinceros agradecimentos ao Marco Pedrazzi. Confira os flagras:

Começa a circular a nova frota da FAOL

Começaram a circular, em Nova Friburgo, os novos ônibus adquiridos pela Friburgo Auto Ônibus. A renovação vem acompanhada de grandes novidades, como a adoção de um novo padrão de identidade visual (o mesmo de empresas como ReiTur e Premium, da capital, integrantes do Grupo Real Auto Ônibus, nova administradora da FAOL) com três cores distintas: Verde, para a região norte do município; amarelo, para a região sul; e azul, para a região central.

Confira o registro de Brenno Breder, colaborador do Terebus em Nova Friburgo.

Os novos veículos são do modelo Gran Via, produzido pela encarroçadora paranaense Mascarello, e configurados sobre chassis Volksbus 15-190 EOD.

Os novos veículos são do modelo Gran Via, produzido pela encarroçadora paranaense Mascarello, e configurados sobre chassis Volksbus 15-190 EOD.

O REAJUSTE DA TARIFA EM NOVA FRIBURGO – RJ

Matéria original de Mário Rangel, de A Voz da Serra, noticiário do município vizinho.

contato – bastidoresdapolitica@avozdaserra.com.br

 

Reajuste da tarifa de ônibus obrigará Faol a renovar frota e melhorar serviços 
A partir de segunda-feira, 4, a tarifa de ônibus será reajustada em 11,6% passando de R$ 2,60 para R$2,90. O reajuste autorizado pelo prefeito Rogério Cabral foi anunciado após uma audiência pública realizada nesta segunda-feira, 25, na 1ª Vara Cível de Nova Friburgo. Na conciliação—avalizada pela juíza Paula do Nascimento Teles, a representante do Ministério Público, Daniele Azeredo, e o presidente da comissão de Transporte Público da Câmara, Gustavo Barroso—a concessionária Friburgo Auto Ônibus (Faol) se comprometeu a fazer investimentos para melhorar a qualidade dos serviços públicos.

O primeiro compromisso é reduzir a idade média da frota com a aquisição 50 ônibus novos, que deverão estar em circulação no decorrer de abril. O tempo médio de vida da frota, que é atualmente de 9,5 anos, será diminuído para menos de cinco anos, de forma a atender o contrato de concessão firmado em 2008. Ficou ainda definido que, na próxima renegociação da tarifa prevista para março de 2014, a Faol irá adquirir mais 30 ônibus zero quilômetro. Todos são adaptados de fábrica para atender usuários com deficiência física.

No acordo que gerou o reajuste da tarifa foram fixadas pelo Ministério Público pesadas multas (R$ 50 mil) para a concessionária, caso esta venha a descumprir algumas das 35 cláusulas firmadas na mesa de negociação com a Prefeitura. Um delas, a redução da idade média da frota. A empresa se comprometeu a instalar 20 pontos de ônibus em locais a serem escolhidos pelo governo municipal. O usuário, a partir do dia 4, terá mais tempo para fazer a integração fora da Rodoviária da Praça Getúlio Vargas: duas horas. Os usuários também ficarão isentos de pagar a primeira via do cartão Fricard, cujo valor atual é de R$ 20. 

A Faol também aceitou arcar com os custos (R$ 280 mil) para que uma instituição de credibilidade renomada faça no prazo de seis meses um estudo do sistema viário urbano com vistas a reestruturar as linhas de ônibus e que permita à Prefeitura melhorar o trânsito de Nova Friburgo, considerado caótico e um dos principais responsáveis pelos atrasos nos horários dos ônibus.

Um outro compromisso firmado foi a realização de treinamento dos rodoviários para atender melhor os usuários de transporte da cidade. Novos ônibus terão três cores diferentes e rodoviária de integração será desativada

Tarifa nova, ônibus novos. Os 50 novos coletivos a serem comprados pela Faol e que entrarão em circulação em abril—metade no dia 10 e a outra metade dia 25—terão um leiaute completamente diferente dos 175 atuais veículos em atividade nas 102 linhas existentes. Os veículos também terão três cores distintas, diferenciando as áreas em que atenderão aos usuários. Os de cor azul serão concentrados na zona central, os amarelos, nas linhas da zona sul; e os verdes, na norte.

Ainda na audiência judicial em que ficou definida a tarifa de R$ 2,90, foi acertada a desativação da Rodoviária da Praça Getúlio Vargas (foto) no prazo máximo de seis meses (em agosto) com ampliação do sistema Fricard, permitindo que toda a integração seja feita nos quase 140 pontos de ônibus espalhados pela município. 

Concessionária cederá ônibus e vans e ainda fará a manutenção de outros coletivos da Prefeitura

Durante a audiência na 1ª Vara Cível onde foi autorizado o reajuste da tarifa de ônibus em 11,6%, a partir do dia 4, o prefeito Rogério Cabral admitiu que a sua decisão é impopular e que “causará algum desgaste político”, ainda mais acontecendo logo nos primeiros dois meses de seu governo. Ele, entretanto, destacou que o aumento anual está previsto no contrato de concessão e visa o equilíbrio econômico-financeiro da prestação de serviço. Rogério acrescentou ainda que o último reajuste havia ocorrido em maio de 2011 e, em tom crítico, afirmou que a decisão de aumentar a tarifa foi herdada de seu antecessor que, segundo ele, já tinha consciência sobre a necessidade da medida mas optou por protelá-la para 2013.

Além de condicionar o reajuste da tarifa à renovação da frota e a instalação de novos pontos de ônibus, o governo municipal exigiu outros compromissos da concessionária, incluídos no acordo firmado na 1ª Vara Cível.

A Faol, por exemplo, se comprometeu a fazer a manutenção de 11 ônibus da Prefeitura—seis escolares doados pelo governo federal, dois da rede de saúde, outros dois da cultura e ainda um para o transporte de trabalhadores braçais que será repassado pela concessionária ao município. A Secretaria de Assistência Social também receberá dois veículos novos (vans) adaptados para atender deficientes físicos e portadores de necessidades especiais no deslocamento de atendimentos médicos.

O prefeito anunciou que pretende criar a Secretaria Municipal de Serviços Concedidos para fiscalizar não apenas a qualidade do transporte público, mas outras atividades controladas por concessionárias, como água e esgoto, energia elétrica (taxa de iluminação), entre outros. 

Vereador critica reajuste e promove abaixo-assinado

Embora a comissão de transporte da Câmara, presidida pelo vereador Gustavo Barroso (PSD), tenha participado e dado o aval ao reajuste da tarifa na audiência de conciliação entre a Prefeitura e a Faol na 1ª Vara Cível de Nova Friburgo, o aumento de 11,6% nas passagens provocou críticas do vereador Wanderson Nogueira (PSB). O socialista lidera nas redes sociais uma campanha contra o aumento da passagem para R$ 2,90. O parlamentar ressalta que o aumento da passagem é uma atribuição exclusiva do prefeito e quebra uma promessa de campanha, onde Rogério Cabral, segundo Wanderson, “não só prometeu manter a tarifa, como afirmou que iria reduzi-la”. Para ele, o reajuste penaliza a população e premia “o mau serviço atualmente oferecido pela companhia de transporte urbano”.

Wanderson diz já ter apresentado um requerimento na Câmara para que o prefeito “cumpra o compromisso de campanha” e outro para que os diretores da empresa compareçam ao Legislativo ”e esclareçam sobre as atribuições deles que não vem sendo cumpridas”.

O vereador ainda está fazendo um abaixo-assinado no Centro, Conselheiro Paulino e Olaria contra o aumento da tarifa. As assinaturas serão encaminhadas ao chefe do Executivo. Segundo Wanderson, a adesão ao documento pode ser realizada por assinatura eletrônica, através do Portal Petição Pública.

 

O TEREBUS parabeniza a reportagem, sem dúvida ponderada e imparcial do Sr. Rangel, de A VOZ DA SERRA. 

Em matéria recente, aqui em nosso site e em debates via Redes Sociais, sempre questionamos sobre o legado que ficaria do aumento de passagem aqui em Teresópolis. Não debatemos valores, a não ser opinar sobre a dor no bolso, típica de uma cidade empobrecida como a nossa.

Na cidade vizinha, onde temos tarifa única e integração temporal, o poder público se fez presente, em todas as suas esferas. 

Assim, mais uma vez, Teresópolis vai perdendo o bonde da história. 

OPINIÃO (ASSINA) – Fernando Luiz, membro do TEREBUSImagem